Participante com ensino superior aposta no Enem para segunda graduação

49

Exame terá última etapa no domingo; provas serão de Matemática e Ciências da Natureza

Embora em sua essência o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), como o próprio nome já indica, sirva para medir a qualidade do ensino médio no país, há no perfil dos participantes diferentes realidades. Entre elas, têm os marinheiros de primeira viagem – na edição de 2019, dos 5,1 milhões de participantes inscritos, 2,4 (47%) são inexperientes no exame – e aqueles que farão a prova novamente pensando na segunda graduação.

Formado em Administração com ênfase em Recursos Humanos, o servidor público Valmir Santos, 42 anos, faz parte do segundo perfil. Depois de uma década de formado, o baiano retoma à maratona de provas do Enem para concorrer a uma vaga no curso de gastronomia. A escolha parte da identificação de Valmir pela cozinha, além do objetivo de obter uma certificação de referência que o melhor prepare para entrar no segmento gastronômico.

“Paralelo ao trabalho de servidor público, eu já cozinho e forneço para eventos, também produzo alimentos congelados – tipo caldo, sarapatel entre outros. Então essa segunda graduação é para ter o título de algo que eu já faço no dia a dia, além de entrar na área de gastronomia com maiores conhecimentos”, explica Valmir. O foco é o curso oferecido pela Universidade Federal da Bahia, que desde 2009 aceita o Enem como parâmetro de entrada de alunos na instituição, através do Sistema de Seleção Unificada (Sisu).

Preparação

Diferente dos candidatos que estão saindo do ensino médio e farão o exame com a tensão da escolha da futura carreira, por já ter a experiência no ensino superior e a estabilidade na sua atual profissão, Valmir não carrega a apreensão de estar fazendo a prova como algo decisivo em sua vida. Isso faz com que ele vá fazer o exame com maior tranquilidade, apostando no conteúdo que já possui.

A maior atenção dada mesmo é manter a resistência na avaliação, considerado por ele como cansativa. “Acho que o participante mais jovem está mais preparado para esta etapa do cansaço físico e mental na hora da prova. Se eu passar, beleza! Se não, está tudo bem também, eu posso recorrer a outros caminhos”, diz.

Quem pode fazer o Enem?

Qualquer pessoa pode fazer o Enem, o que muda é a forma como o resultado da prova poderá ser usado. No caso das pessoas que já possuem uma graduação, caso elas desejem um curso na rede privada, não poderão fazer por meio do Programa Universidade Para Todos (Prouni), que é destinado apenas para quem ainda não tem ensino superior.

O mesmo não acontece com o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), o qual as instituições federais e estaduais utilizam como sistema de seleção dos alunos. O candidato graduado deverá atentar apenas no tipo de concorrência, se com cotas raciais ou sociais.

Enem 2019

A primeira etapa do Enem 2019 foi realizada no domingo passado, dia 3. Os estudantes responderam questões de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias e Ciências Humanas, além da redação com o tema “Democratização do acesso ao cinema no Brasil”. No próximo domingo, dia 10, serão aplicadas as provas de Matemática e de Ciências da Natureza, totalizando 5h de prova.

O resultado será divulgado em janeiro de 2020 e, com ele em mãos, é possível pleitear uma vaga no ensino superior. A principal forma é por meio dos programas estudantis do governo federal: Sistema de Seleção Unificada (Sisu); Programa Universidade para Todos (Prouni); Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) além de Universidades Portuguesas.

Fonte: Roberto Paim – Agência Educa Mais Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Por favor, insira um nome

cinco × 5 =