Lançamento digital em dose dupla

77
Lançamento digital em dose dupla - MEU BRASIL ONLINE

O escritor Gilucci Augusto lança e-books: um de poesia e um romance

A inquietação do fotógrafo, artista audiovisual e professor baiano Gilucci Augusto com a pandemia foi traduzida em palavras e transformada em duas obras literárias que chegam ao mercado editorial esta semana no forato de livro digital. Em produção independente, através da Amazon, Quintal: Diário para vaga-lumes em dias de chuva e Abákunhãúna Moendy – Ritos e Raízes já estão disponíveis para venda digital. A primeira é uma coletânea de poesias; o segundo livro é o romance de estreia do escritor, que lançou ano passado Nuances – Entre Luzes e Sombras. Em comum às duas obras a inspiração no universo mítico e familiar. “Minha avó é minha eterna referência de tudo que há de melhor na vida”, define o autor.

Lançamento digital em dose dupla - Quintal Diário para Vaga-lume em dias de Chuva
Lançamento digital em dose dupla – Quintal Diário para Vaga-lume em dias de Chuva

Do quintal de memórias, 68 páginas do livro de poesia brotaram em apenas um mês. “Ele compartilha e nos faz conhecer suas andanças infantis, ressoando os ecos do garoto em um homem que desenha em palavras seus sentimentos ternos e eternos, que se misturam em um jogo sinestésico de cheiros e sabores, chuvas e travessuras, embalados pelo carinho transmutado em afeto na figura de sua vó”, apresenta o autor a poeta e professora Aline Nery.

O livro, que seria lançado em formato físico este ano, chega ao mercado de forma digital como E-book na Amazon, com prefácio de Clarissa Macedo, ilustrações de Lilian Morais Morais e diagramação e projeto gráfico de Rogger Rocha. Os vagalumes ainda estão acesos na memória da sua infância, mas são também símbolo de resistência ao fascismo e neofascismo. “Representam uma espécie de sobrevivência das pequenas luzes, frente ao obscurantismo político e esse momento tenebroso, pandêmico. Seguindo influências dos escritos e reflexões de pensadores como Pasolini e Didi-Huberman, resistir e sobreviver através das artes e da cultura em suas mais múltiplas expressões”, reitera o autor.

A arte é mesmo sua resposta. Impossibilitado de fotografar nestes tempos de isolamento social, o fotógrafo, professor e mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Desenho, Cultura e Interatividade, se apropriou da escrita para plasmar imagens e memórias, em verso mas também em prosa. Seu primeiro romance é marcado por uma narrativa repleta de memórias afetivas. A vida de dona Vavinha, sua avó Maria José Silva Santos, é a inspiração e fio condutor de uma viagem literária afrofantástica, com lampejos de lições de vida e compassos de sabedoria.

Lançamento digital em dose dupla - Abákunhãúna Moendy – Ritos e Raízes
Lançamento digital em dose dupla – Abákunhãúna Moendy – Ritos e Raízes

A mulher afro-indígena, católica mas também rezadeira, que sai do Vale do Jequiriçá e passa a viver no Recôncavo Baiano, conduz o leitor a um universo povoado de beleza e misticismo.  “A literatura é realmente imagética, sua escrita conduz um ímpeto imagético que é seduzido pelo Moendy, um personagem criado para mostrar esperança, ancestralidade e que valida em nós a necessidade de buscar o melhor nos seres humanos”, apresenta o escritor Marcos Cajé.

O narrador, um homem que sofre com a perda de memória, pressentindo a aproximação da própria morte que se anunciava em sonhos estranhos e repetitivos, decide buscar abrigo na busca das memórias e histórias da sua avó, o ser que mais amara até então. E o único de que se recordava com mais facilidade. Nesse percurso entre a realidade, a imaginação e a fantasia, o personagem nos brinda com momentos que vão das formas de amor mais puro e os prazeres mais intensos, até às piores dores e tragédias da vida, tanto da sua própria vida, quanto da existência de Abákunháúna Moendy, um ser mítico que tem sua história contada por ele, no vai vem da trama.

“As palavras que esculpem o texto urdem e fazem ressoar os tremores e vertigens que compelem cada existir, bem como os laços do coexistir. Realçam a temática da ancestralidade, o espírito de vida em comunidade, o universo das crenças e rituais que compõem os cotidianos dos vínculos coletivos”, avalia o professor e escritor Miguel Almir. Na visão da mediadora artística e cultural Cintia Palmeira, que mora atualmente em Portugal, Abákunháúna Moendy “se afirma como instrumento de reflexão sobre a multiplicidade cultural que constrói o tecido social brasileiro. Uma leitura a não perder”.

Para Gilucci, que transformou a angústia dos tempos difíceis em produtividade, o contexto social vai favorecer ainda mais a expansão do mercado de e-books. “O crescimento das vendas de livros digitais nesse momento de pandemia tende a crescer. Publicar uma livro digital exige menor investimento, não é necessário editora, o processo é mais simples e independente e com alcance global. É bom para o leitor que tem acesso a obras pagando menos e bom para os escritores independentes também”. As duas novas produções de Gilucci Augusto já estão em pré-venda, com lançamento marcado para o dia 17 de agosto.

Sobre o autor:

Baiano, nascido na cidade de Santo Antônio de Jesus, atualmente residente em Salvador, Gilucci é cidadão do mundo. Fotógrafo, professor, chef, mestre em Desenho, Cultura e Interatividade pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), publicou em 2018 o livro Corpus et spiritus, no qual apresenta as imagens do seu trabalho fotográfico, exposto pela primeira vez. Nuances – Entre Luzes e Sombras foi seu livro de estreia na arte literária.

Serviço:

O quê? “Quintal: Diário para Vaga-lume em dias de Chuva”

Quem? Autor Gilucci Augusto

Quanto? R$ 5,99

Como? O livro pode ser adquirido no site da Amazon

Link? https://amzn.to/3fzmxiK

 

O quê? Abákunhãúna Moendy – Ritos e Raízes”

Quem? Autor Gilucci Augusto

Quanto? R$ 9,99

Como? O livro pode ser adquirido no site da Amazon

Link? https://amzn.to/2CUy3Xp

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Por favor, insira um nome

três + 13 =